Pesquisar
 
 
 
 
Alterar tamanho do texto
Cultura e Turismo
Museu da Industria Têxtil revisita a já desaparecida Fábrica de Lanifícios do Barão da Trovisqueira
    13-11-2019
    É já neste sábado, 16 de novembro, pelas 15h00, que se realiza a segunda conferência do novo ciclo de atividades, promovido pelo Museu da Indústria Têxtil, intitulado “Percursos e memórias da indústria na Bacia do Ave” que tem levado os participantes a percorrer alguns dos marcos históricos do cluster têxtil da região. Desta vez, o convidado é Mário Bruno Pastor da Universidade Católica Portuguesa, que irá falar sobre “A Fábrica de lanifícios do barão da Trovisqueira, a têxtil inaugural de Riba de Ave”. Depois de abordar a temática, os participantes são convidados a visitar o local onde esteve implantada a Fábrica, num autocarro disponibilizado gratuitamente. O regresso ao Museu acontece pelas 17h15.

    A participação é gratuita, sendo que as inscrições e informações devem ser solicitadas junto do Museu da Indústria Têxtil ou através do email geral@museudaindustriatextil.org

    Entretanto, no dia 14 de dezembro, o programa começa mais cedo com a apresentação da monografia Arqueologia Industrial. Fundada em 1987 como publicação periódica, é agora lançada, em 2019, no formato de livro, constituindo uma coleção monográfica nas áreas da arqueologia, património e museologia industrial, procurando acompanhar o desenvolvimento destas áreas no país e no estrangeiro.

    A sua edição é da responsabilidade do Museu da Indústria Têxtil da Bacia do Ave/Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão e da APPI – Associação Portuguesa para o Património Industrial, representante em Portugal do TICCIH – The International Committee for the Conservation of the Industrial Heritage, sendo publicada pelas Edições Humus.

    Às 15h00 debate-se “O contributo da Revista de Guimarães para a mudança do paradigma industrial local”, com Paula Ramos Nogueira da Universidade de Coimbra. A visita guiada será ao Arquivo Municipal Alfredo Pimenta, em Guimarães, à exposição temporária “Indústria Têxtil da Guimarães: do sistema antigo ao advento das máquinas”.

    Refira-se que estas conferências estão certificadas como Ação de Curta Duração para os professores pelo que as inscrições decorrem através de formulário online disponível em https://bit.ly/2mU3p92

    Contactos:
    Tel.: 252 313 986
    geral@museudaindustriatextil.org

    Programa

    16 novembro ‘19
    “A Fábrica de lanifícios do barão da Trovisqueira, a têxtil inaugural de Riba de Ave”
    Mário Bruno Pastor
    Universidade Católica Portuguesa / CITAR / FCT

    15h00 Conferência no Museu da Indústria Têxtil da Bacia do Ave
    16h30 Visita ao local onde esteve implantada a Fábrica (Riba de Ave, Vila Nova de Famalicão)
    17h15 Regresso ao Museu da Indústria Têxtil da Bacia do Ave
    18h00 Encerramento

    A fábrica de lanifícios do barão da Trovisqueira
    A têxtil inaugural de Riba de Ave
    “O arranque industrial da produção têxtil no Vale do Ave é um fenómeno que começou a afirmar-se a partir dos meados do século XIX, quase sempre intimamente relacionado com o retorno de antigos emigrantes portugueses no Brasil. A primeira fábrica têxtil montada com aproveitamento hidráulico diretamente sobre o Rio Ave foi construída por José Francisco da Cruz Trovisqueira (1824-1898), barão da Trovisqueira. Precisamente um famalicense que emigrara, ainda menino, para o Brasil, onde fez fortuna e importantes contactos comerciais e políticos, que o levariam não só a ser eleito deputado às cortes constitucionais, durante um dos governos do marquês de Sá da Bandeira, em 1868, como também, por duas vezes, presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão.
    Em 1873, Trovisqueira adquire, num leilão do Ministério da Fazenda, em Lisboa, as antigas azenhas e respetivos terrenos dos párocos de Riba de Ave, é a partir desse património que a sua fábrica de lanifícios começa a ser erguida. Em 1881, quando a fábrica é inscrita no registo predial de Famalicão, é já uma estrutura totalmente renovada, de feição inglesa, do tipo mill, especializada na fiação de telas e fazendas económicas de lã nacional, destinadas ao mercado local. É com esta configuração que a fábrica nos surge no Inquérito Industrial de 1890.
    Hoje desaparecida, esta fábrica inaugural está diretamente relacionada com génese da paisagem industrial de Riba de Ave. Foi adquirida, no final do ano de 1900, por Narciso Ferreira, que a viria a inserir na sua emblemática Sampaio, Ferreira & Cia. Lda.
    A visita do próximo dia 16 de novembro incidirá sobre a memória e o espaço da antiga fábrica em Riba de Ave, tal como sobre as instalações do que resta atualmente da Sampaio, Ferreira.”
    Mário Bruno Pastor

    14 dezembro ‘19
    “O contributo da Revista de Guimarães para a mudança do paradigma industrial local”
    Paula Ramos Nogueira
    Universidade de Coimbra, Instituto de Investigação Interdisciplinar, Centro de Física
    Local Museu da Indústria Têxtil da Bacia do Ave
    14h30 Apresentação da coleção monográfica
    Arqueologia Industrial
    Professor Doutor J. M. Lopes Cordeiro
    15h00 Conferência no Museu da Indústria
    Têxtil da Bacia do Ave
    16h30 Visita à exposição temporária “Indústria Têxtil da Guimarães: do sistema antigo ao advento das máquinas” (Arquivo Municipal Alfredo Pimenta, Guimarães)
    17h15 Regresso ao Museu da Indústria Têxtil da Bacia do Ave
    18h00 Encerramento
    Receber Notícias
 
 
Subscrever RSS  
 
Enviar por email  
 
Imprimir  
1160 leituras
 
 
TOPO
 
   
  Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão © copyright 2019 | handmade by brainhouse