Pesquisar
 
 
 
 
Património Classificado - Imóveis de Interesse Público
Alterar tamanho do texto
 
Casa do Vinhal – Vila Nova de Famalicão

Decreto nº 129/77, DR 226 de 29-09-1977
Zona geral de protecção de 50 metros

As origens da Casa do Vinhal, remontam aos séculos XVII e XVIII. É um edifício de arquitectura civil privada, barroca, que se traduz fundamentalmente pelo posicionamento da Casa relativamente à paisagem, pelo tratamento do jardim em socalcos e nas escadarias duplas localizadas segundo um eixo.
A Casa do Vinhal localiza-se numa plataforma junto ao caminho-de-ferro, voltada para a cidade. É de destacar o jardim, incluído na classificação com árvores de grande porte.
O edifício de planta rectangular orientado no sentido N - S possui dois pisos e cobertura em telhado de quatro águas. Possui também uma escadaria dupla de lanços opostos.
De referir a existência de uma capela com um belo altar de talha encerada, sob o arco sineiro da capela existe um brasão, com os emblemas dos Coutos, Azevedos, Farias e Barros.
 
 
Casa-Museu de Camilo – Seide S. Miguel

Decreto nº 95/78, DR 210 de 12-09-1978
Zona geral de protecção de 50 metros

A Casa-Museu de Camilo, foi construída por Pinheiro Alves, em 1830 quando regressou do Brasil, na posse de avultada fortuna.
A 17 de Junho de 1863, e logo no Inverno desse ano, Camilo instala-se com a família na Quinta de S. Miguel de Seide, propriedade que coube por herança a Manuel Plácido, suposto filho. Aqui viveu e escreveu grande parte das suas obras e se suicidou, a 1 de Junho de 1890.
Em 17 de Março de 1915 um violento incêndio devorou completa e inexplicavelmente a moradia. Formou-se uma comissão de homenagem ao escritor que a adquiriu em 17 de Abril de 1917. Concluídas as obras, a Comissão de Homenagem entregou à edilidade famalicense a casa reedificada.
No final da década de 40 no decurso de obras de beneficiação, parte da casa ruiu, tendo sido reconstruída de forma tão próxima quanto possível da que fora habitada por Camilo. A 18 de Junho de 1956, a Casa-Museu Camilo foi inaugurada. Vinte anos depois, recebeu novos melhoramentos, sob a direcção do Padre Benjamim Salgado.
Em 1994 realizaram-se significativas obras de conservação.
 
 
Castro das Ermidas

Dec. 29/90 de 17 de Julho
Zona geral de protecção de 50 metros

Apresenta forma alongada no sentido Nordeste-Sudoeste, com um recinto central delimitado por uma muralha e, na ligação ao esporão, um reforço defensivo constituído por dois fossos e um talude. Para Noroeste e Sudeste notam-se algumas plataformas. As escavações arqueológicas realizadas entre 1983 e 1987, revelam de uma ocupação contínua entre o séc. IV a.C. e o séc. I da nossa Era. As muralhas e as diversas estruturas domésticas escavadas, bem como o abundante espólio cerâmico e metálico atribuíveis aos finais do séc. I a.C. / inícios do séc. I d.C. são reveladores do grande dinamismo que o Castro das Ermidas alcançou na fase terminal da cultura castreja.

http://arqueologia.vilanovadefamalicao.org
 
 
Castro de São Miguel-O-Anjo – Calendário

Decreto nº 29/90 de 17-07-1990
Zona geral de protecção de 50 metros

Estação de dimensões consideráveis, mas cujos limites estão ainda mal definidos. A estrutura mais evidente é a plataforma superior, mas outras se notam na encosta do monte. Os materiais de superfície sugerem uma ocupação datável desde o século I AC até finais do século I DC.
A plataforma central alonga-se na direcção Leste – Oeste e subdivide-se em três plataformas bem aplanadas, onde se notam algumas pias cavadas no granito.
A muralha exterior é a mais notável e parece terminar a Norte contra o afloramento rochoso que se estende íngreme pelo monte abaixo.
Esta estação encontra-se bastante degradada devido à intensa exploração no passado das pedreiras implantadas nos inúmeros afloramentos graníticos que existem no monte.

http://arqueologia.vilanovadefamalicao.org
 
 
Igreja de Santiago de Antas - Antas

Imóvel de Interesse Público
Decreto nº 42 007, DG 265 de 06-12-1958
Zona geral de protecção de 50 metros

A Igreja de Santiago de Antas, situa-se num local elevado, actualmente o arranjo urbanístico previsto para o local irá assegurar o afastamento do trânsito automóvel do edifício.
É um edifício cuja época de construção se situa nos séculos XIII e XIV, arquitectura religiosa românica de transição para o gótico.
De planta simples com uma só nave e capela-mor quadrangular. A sua decoração é tardia e de inspiração local, o arco cruzeiro tem modinatura gótica, assenta em quatro colunas, duas de cada lado, com grandes capitéis, cujo cesto, torneado, pertence a esse mesmo estilo, bem como a técnica alto-revelada com que são esculpidos os temas que os decoram: aves – duas a beberem pelo mesmo cálice, duas devorando cada uma a sua presa ; motivos geométricos; folhagens; quadrúpedes enfrentados.
O tecto da capela-mor é de caixotões, com decoração a ouro, e o altar tem nos socos das colunas quatro imagens dos Evangelistas. As paredes laterais da capela-mor estão revestidas com azulejos.
 
Mosteiro de Landim - Landim

Decreto nº 2/96 de 06-03
Zona geral de protecção de 50 metros

O Mosteiro de Santa Maria de Landim, também chamado de Santa Maria dos Anjos, tem as suas origens no século XII. As construções que compõem o conjunto do Mosteiro e da antiga Igreja monástica, convertida hoje em paroquial, distribuem-se pelo parque e pela cerca, onde se localiza a Casa do Paço, junto do antigo recinto do Jogo da Pela, e cujo extremo sul, do lado oeste, confina com uma pequena construção religiosa.
A Igreja e o Mosteiro sofreram em finais da primeira metade do séc. XVI, profundas alterações. A actual fachada da Igreja apresenta-se dividida horizontalmente em três corpos, articulada com o coro alto. No segundo corpo abre-se uma janela rectangular ladeada por dois nichos, com as imagens de São Teotónio e Santo Agostinho. Um nicho de maiores dimensões, encimado por uma cornija horizontal, com a imagem de Nossa Senhora da Assunção, decora o corpo mais alto.
Em 2004, e no seguimento do protocolo entretanto assinado pela Câmara Municipal, pela Direcção Geral de Edifícios e Monumentos Nacionais e pela Fábrica da Igreja da Paróquia de Landim, foi possível avançar com os trabalhos de conservação e valorização da Igreja do Mosteiro.
 
 
TOPO
 
   
  Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão © copyright 2017 | handmade by brainhouse