Município de Famalicão: Notícias e Informações Úteis http://www.vilanovadefamalicao.org Últimas 10 notícias 15 asdad asdasd dasdad <![CDATA[Câmara apoia estudantes do ensino superior ]]> http://www.vilanovadefamalicao.org/_camara_apoia_estudantes_do_ensino_superior </p><img src="http://www.vilanovadefamalicao.org/op/image/?co=110200&h=52e10" width="303px" height="202px" border="0"/></p> Há mais de dez anos que a Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão atribui anualmente uma bolsa de estudo aos alunos do concelho que frequentam o ensino superior. Inicialmente o valor era fixo, mas a partir de 2009, com a entrada em vigor do Regulamento Municipal de Bolsas de Estudo, a medida começou abranger muitos mais alunos, com valores que variam entre os 500 euros e os 1000 euros. Na próxima terça-feira, dia 28, a partir das 14h30, serão entregues 265 bolsas de estudo a jovens estudantes do ensino superior, um investimento na ordem dos 167 mil euros que vem reiterar a aposta do executivo na promoção da formação superior dos famalicenses. A Cerimónia realiza-se na Casa das Artes, e conta com a presença do Presidente da Câmara, Paulo Cunha, e de mais de duas centenas de jovens e familiares.
Este evento, à semelhança de anos anteriores, será dedicado aos jovens estudantes e pretende ser um incentivo à sua realização pessoal e profissional.

Refira-se que em relação ao ano de 2015/2016, houve um aumento do investimento que passou de 165 mil euros para 167 mil euros. O número de bolseiros manteve-se nos 265 estudantes.
Para o presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, “as Bolsas de Estudo para os alunos do Ensino Superior são um investimento no futuro de cada estudante e no futuro do concelho de Famalicão. São, por isso, uma das apostas mais marcantes e gratificantes para o município.”
]]>
<![CDATA[Embaixador da Alemanha classifica Famalicão como “business friendly”]]> http://www.vilanovadefamalicao.org/_embaixador_da_alemanha_classifica_famalicao_como_business_friendly </p><img src="http://www.vilanovadefamalicao.org/op/image/?co=110209&h=8a717" width="303px" height="202px" border="0"/></p> O Embaixador da Alemanha em Portugal não tem dúvidas na hora de classificar Vila Nova de Famalicão quanto à sua capacidade de chamar a si protagonismo económico a nível nacional. Christof Weil considera o concelho como “business friendly (amigo dos negócios)”.

O diplomata esteve em Vila Nova de Famalicão, ontem, 23 de março, a convite do Presidente da Câmara Municipal, tendo participado numa conferência do ciclo Made INternational sobre as oportunidades de negócio no mercado alemão e que lotou o auditório da Casa do Território. A iniciativa enquadra-se na estratégia de diplomacia económica que Paulo Cunha tem vindo a promover para estimular o fortalecimento da competitividade e internacionalização das empresas famalicenses.

O embaixador germânico não poupou nas palavras para descrever um concelho que diz conhecer pelas suas “grandes empresas”, onde se incluem as poderosas alemãs Continental Mabor, Leica e Olbo&Mehler. “Exemplos fortes de exportação, inovação e criatividade”, disse, realçando a atratividade de Famalicão para o investimento empresarial. “Sei o quão amigo dos negócios é. Quero demonstrar o meu apreço por isso e dar os parabéns pelo evidente sucesso que tem.”

O passo seguinte a esta visita, admitiu Christof Weil, passa pelo robustecimento das relações comerciais, colaborando com os empresários famalicenses na entrada ou consolidação dos seus negócios na Alemanha, quarta economia mundial, como é, aliás, desígnio da ação da Câmara Municipal no plano económico.

“Ecossistema favorável ao investimento”

Paulo Cunha descreveu a visita do Embaixador da Alemanha em Portugal como “mais uma etapa no processo de internacionalização da economia famalicense”, recordando que estas conferências têm o intuito de assumir a vocação internacional de Vila Nova de Famalicão.

“Somos um concelho com marca exportadora, que aposta no desenvolvimento industrial, que faz investimento público a pensar na criação de condições para atrair investimento privado”, sublinhou o edil famalicense. Aliás, Paulo Cunha insistiu na “grande ambição” que Famalicão tem e que passa por criar as condições ótimas para cativar o interesse de empresas e investidores de qualquer quadrante geográfico.

Isso é o “ecossistema favorável ao investimento”, ou seja, “reunir as condições necessárias para que um investidor olhe para nós e nos escolha para fazer investimento”, ilustrou. O autarca lembrou finalmente que estão a ser feitos “enormes investimentos” na formação profissional dos trabalhadores locais, para que estejam à altura dos projetos que estão em curso no concelho famalicense.

Embaixadores Empresariais de Famalicão na Alemanha

Ponto alto desta conferência foi a apresentação dos ‘Embaixadores Famalicenses na Alemanha’. Pedro Carreira (Continental Mabor), Paulo Maravalhas (Leica), Marcelo Garcia (Olbo&Mehler) e António Abreu (Deinzer) são os empresários que conhecem bem o mercado germânico e que se disponibilizaram para aconselhar outras empresas famalicenses na entrada ou consolidação dos seus negócios na Alemanha.

Famalicão Made INternational é uma iniciativa da Câmara Municipal que conta com a cooperação da AICEP – Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal e da ADRAVE – Agência de Desenvolvimento Regional. ]]>
<![CDATA[Câmara desafia associações culturais do concelho para projeto em rede]]> http://www.vilanovadefamalicao.org/_camara_desafia_associacoes_culturais_do_concelho_para_projeto_em_rede </p><img src="http://www.vilanovadefamalicao.org/op/image/?co=110191&h=8ff74" width="303px" height="202px" border="0"/></p> Depois do sucesso da iniciativa “Programar em Rede”, lançada pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, em 2016, aos vários agentes culturais do concelho, a autarquia volta a lançar o este ano desafio, disponibilizando uma verba de 10 mil euros para financiar um projeto cultural, que seja apresentado em rede por várias entidades do concelho, e que decorra entre 1 de janeiro e 30 de julho de 2018.
A iniciativa tem como objetivo envolver os vários agentes culturais do concelho na concretização de um evento que se diferencie pela inovação e criatividade, pela capacidade de articulação de meios, pela mobilização e atração de público e pela descentralização da atividade cultural.

Para o presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, “o principal desafio do evento é colocar as instituições a trabalharem em rede para apresentar um projeto vencedor capaz de cativar os famalicenses e atrair turistas ao nosso concelho”.

O projeto destina-se a entidades com atividade no domínio cultural que tenham sede em Famalicão, e as candidaturas devem ser apresentadas até 31 de julho de 2017. O regulamento e ficha de inscrição está disponível no site do município. Caberá à divisão de Cultura e Turismo do município a verificação da conformidade das candidaturas, a avaliação e decisão do projeto vencedor será da responsabilidade do Conselho Municipal da Cultura (CMC).

Refira-se que o Conselho Municipal da Cultura é constituído por mais de meia centena de entidades culturais do concelho. Criado em 2009, é um órgão de consulta da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão que tem como objetivo principal envolver os diversos agentes culturais do município no planeamento e execução de uma política cultural abrangente e dinâmica. Entre as suas competências destaque para a elaboração de programa anual de atividades culturais e artísticas, estabelecendo uma calendarização coordenada; estudo de novas formas de cooperação entre as instituições e a discussão de grandes linhas estratégicas para a cultura.

Em 2016, a Fundação Cupertino de Miranda foi a grande vencedora da iniciativa com o projeto cultural "Museus Ilustrados em Rede". O projeto que envolve os treze museus da Rede Municipal de Famalicão conquistou a maioria dos votos do Conselho Municipal da Cultura.
]]>
<![CDATA[Museu Nacional Ferroviário de Lousado na maior rota europeia de Turismo Industrial]]> http://www.vilanovadefamalicao.org/_museu_nacional_ferroviario_de_lousado_na_maior_rota_europeia_de_turismo_industrial </p><img src="http://www.vilanovadefamalicao.org/op/image/?co=110153&h=1330c" width="303px" height="202px" border="0"/></p> O Museu Nacional Ferroviário de Lousado, em Vila Nova de Famalicão, acaba de integrar a maior rede europeia de divulgação e promoção de Turismo Industrial, que agrega e divulga mais de 1300 sítios e museus industriais em 13 países europeus. A candidatura do Museu Nacional Ferroviário – que abrangeu também o Museu do Entroncamento – à European Route of Industrial Heritage (RIH) – foi aprovada.
A partir de agora estas duas estruturas integram a ERIH como Pontos-Âncora, a principal rota desta rede europeia. De acordo com os critérios da ERIH, obtêm a classificação de Pontos-Âncora os sítios que são considerados de excecional importância histórica em termos de património industrial e que oferecem uma experiência de qualidade aos visitantes, constituindo marcos do Património Industrial Europeu.

A notícia foi recebida em Vila Nova de Famalicão com muita satisfação. Para o presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, “é um orgulho para Vila Nova de Famalicão integrar esta rota que é a maior nesta área a nível da europa, onde estão representados os melhores museus com coleções e património industrial”. E acrescenta: “esta aceitação do nucelo de Lousado, vai dar uma grande visibilidade a este espaço museológico a nível internacional, com a possibilidade adicional de estabelecer parcerias e entrar em projetos e redes entre diferentes parceiros europeus”.

A candidatura agora aprovada contou com o apoio da Câmara Municipal de Famalicão e da APPI- Associação Portuguesa para o Património Industrial, integrando-se na estratégia do Museu Nacional Ferroviário para a divulgação do museu e captação de públicos.

Inaugurado em 2003, o Museu Nacional Ferroviário de Lousado tem expostas nos seus 1400m2 de área várias relíquias e diverso material associado ao mundo ferroviário. A exposição do material circulante, organizada cronologicamente, visa mostrar comboios de diversos tipos. O material construído entre 1875 e 1965 é oriundo de oito companhias e foi adquirido em seis países a quinze construtores.
Um verdadeiro tesouro que impressiona e cativa miúdos e graúdos, portugueses e estrangeiros, a cada visita. Não é por acaso que este é o museu que regista mais afluência de público em Vila Nova de Famalicão. A cada ano é visitado por cerca de dez mil pessoas.

A Câmara Municipal é responsável pela gestão do Museu Ferroviário de Lousado, mediante um protocolo assinado com a Fundação Museu Ferroviário Nacional.
]]>
<![CDATA[Novas estradas do concelho mais seguras para automobilistas e peões]]> http://www.vilanovadefamalicao.org/_novas_estradas_do_concelho_mais_seguras_para_automobilistas_e_peoes </p><img src="http://www.vilanovadefamalicao.org/op/image/?co=110129&h=a36e4" width="303px" height="202px" border="0"/></p> A requalificação da estrada que liga as freguesias de Abade de Vermoim e Lagoa, no concelho de Vila Nova Famalicão, está concluída. São mais de dois quilómetros de uma estrada que ganhou uma nova imagem, servindo todos os dias milhares de pessoas que por ali circulam. “Esta é uma verdadeira via do século XXI, onde para além da substituição do piso, foram renovadas as redes de água, saneamento, abastecimento de água, foram feitos alargamentos da via e construção de muros, foram criados passeios e baías de estacionamento e sinalização”, afirmou o presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, que acompanhado pelos presidentes das Uniões das Freguesias de Avidos e Lagoa, e Abade de Vermoim e Antas, Paulo Silva e Manuel Alves, respetivamente, e ainda de vereadores municipais e responsáveis da obra, assinalaram a conclusão da empreitada.

Com um investimento municipal de cerca de 550 mil euros, a renovação desta estrada faz parte do primeiro pacote de obras lançadas em 2015 e que englobaram mais de 20 quilómetros de vias do concelho, abrangendo 10 freguesias num investimento global de oito milhões de euros.

Entretanto, no ano transato a autarquia lançou um novo investimento nas estradas, envolvendo cerca de 3,4 milhões de euros em 15 intervenções, que ainda estão a decorrer um pouco por todo o concelho. “Felizmente a dinâmica económica do concelho faz com que haja desgaste nas estradas”, realçou ainda Paulo Cunha, referindo-se ao trafego industrial.

Da parte das freguesias abrangidas a satisfação era notória. Para Paulo Silva “com esta obra foi possível beneficiar toda esta área da freguesia, aproveitando a empreitada para renovar o muro junto ao cemitério, mas também para executar alguns arranjos urbanísticos”. Por sua vez, Manuel Alves destacou a importância desta estrada nas acessibilidades ao concelho e a ligação ao saneamento de 200 casas.
Refira-se que a estrada 573/2 é uma excelente via de comunicação no concelho que interliga diretamente Abade de Vermoim até à freguesia da Lagoa, ligando a estrada municipal 573 (Santiago de Antas – Oliveira S. Mateus) com a nacional 204 (Santo Tirso – Famalicão). Trata-se de um eixo alternativo da estrada municipal 573 e para quem quer evitar o centro urbano de Famalicão e dirigir-se para a parte sul do concelho.
]]>
<![CDATA[Simulação de uma forte intempérie ativa meios da Proteção Civil em Famalicão]]> http://www.vilanovadefamalicao.org/_simulacao_de_uma_forte_intemperie_ativa_meios_da_protecao_civil_em_famalicao </p><img src="http://www.vilanovadefamalicao.org/op/image/?co=110138&h=3b1af" width="304px" height="202px" border="0"/></p> No próximo sábado, dia 25 de março, a partir das 15h00, Vila Nova de Famalicão vai ser cenário de uma forte intempérie que vai provocar uma série de ocorrências um pouco por todo o concelho obrigando à ativação do Plano Municipal de Proteção Civil e consequente mobilização de meios e recursos das Corporações de Bombeiros, Forças de Segurança, e outros agentes de Proteção Civil.

Trata-se de um exercício de teste, denominado Stormex 2017, ao Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil do Município de Vila Nova de Famalicão. “Será um exercício à escala real (LIVEX), ou seja existe a mobilização de meios e recursos envolvidos nas ações de resposta ao cenário simulado”, explica a propósito o vereador da Proteção Civil da autarquia, Ricardo Mendes, salientando a relevância da ação, mas chamando também a atenção para a necessidade das populações estarem avisadas sobre o simulacro, para evitar preocupações desnecessárias. A iniciativa insere-se no Mês da Proteção Civil, uma iniciativa que arrancou no dia 1 de março e tem vindo a decorrer com diversas atividades.

OCORRÊNCIAS E SINISTROS SIMULADOS

O contexto do exercício é de uma forte intempérie que se abate no concelho de Vila Nova de Famalicão, a partir do dia 24, tendo sido decretado pela Autoridade Nacional de Proteção Civil estado de alerta especial (EAE) de nível laranja. Com a previsão do Instituto do Mar e da Atmosfera do agravamento das condições meteorológicas (precipitação forte - chuva na ordem dos 30mm/1h) e vento a soprar forte a muito forte (90 km/h) com rajadas muito fortes na ordem dos 130-140km/h e trovoadas) a partir das 15h30 do dia 25, é emitido novo Comunicado Técnico-Operacional Distrital do Comando Distrital de Operações de Socorro de Braga, elevado o EAE para nível vermelho. Tendo em consideração esta informação o Presidente da Comissão Municipal de Proteção Civil decide convocar a Comissão para dia 25 pelas 14h30.

A partir das 15h00 começam a ser registados várias ocorrências relacionadas com os cenários. Atendendo às condições meteorológicas presentes e às várias ocorrências que estão a ser observadas, é decido pelas 15h30 ativar o Plano Municipal de Emergência de Proteção Civil.

As ocorrências irão decorrer na Avenida José Manuel Marques, em Antas. Na estrada nacional, Ponte do Louro, no Louro, na ciclovia Santo Adrião, em Vila Nova de Famalicão, na VIM, sentido Joane – Vizela (junto à rua da Paz, em Oliveira Santa Maria), na rua de Santo António, em Delães e no Parque de Estacionamento D. Maria II, em Antas.
Refira-se que a atividade da Proteção Civil é uma tarefa de todos, pelo que se solicita a melhor compreensão por parte de todos os munícipes para necessidade de realização deste exercício.
]]>
<![CDATA[Famalicão lança campanha de adoção de árvores]]> http://www.vilanovadefamalicao.org/_famalicao_lanca_campanha_de_adocao_de_arvores </p><img src="http://www.vilanovadefamalicao.org/op/image/?co=110097&h=d7751" width="302px" height="202px" border="0"/></p> “Adote uma árvore” é o novo desafio lançado pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão a todos os munícipes. No próximo sábado, dia 25 de março, entre as 9h00 e as 13h00, decorre na Praça Cupertino de Miranda, no centro da cidade, a primeira ação deste desafio que irá disponibilizar, de forma gratuita, árvores e arbustos autóctones aos famalicenses convidando-os a plantarem e a cuidarem de cada árvore conforme as suas caraterísticas e necessidades. A iniciativa decorre no âmbito do projeto “25 mil árvores para 2025” e insere-se nas comemorações do Dia da Floresta e do Dia Mundial da Árvore, que se assinala nesta terça-feira.

O objetivo é que cada famalicense adote uma árvore de uma forma responsável e consciente, aprendendo a cuidar deste ser vivo tão importante para a vida do nosso planeta”, afirma a propósito o presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, acrescentando que “com esta iniciativa queremos incentivar os munícipes a plantarem uma árvore no seu jardim ou na sua varanda, de acordo com os seus gostos pessoais, mas principalmente com as necessidades de cada planta”. Para isso, junto com a árvore será distribuída informação sobre como cuidar das várias espécies, de acordo com o porte, tipo de folha e exposição solar.

Refira-se que com o projeto “25 mil árvores até 2025”, a autarquia famalicense pretende reabilitar aproximadamente 25 hectares do território concelhio através da plantação de 25 mil árvores e arbustos nativos da região em áreas urbanas, espaços rurais, ao longo das linhas de água e em montes e serras.

O projeto que será concretizado nos próximos oito anos tem contado com o envolvimento e participação de escolas e diversas instituições do concelho na plantação de vários milhares de árvores um pouco por todo o concelho.

“É muito importante envolver toda a comunidade neste projeto, principalmente as novas gerações, sensibilizando-as para a preservação da natureza e do meio ambiente”, salientou Paulo Cunha, referindo ainda que “rearborizar significa devolver vida, proteger a natureza, criar condições de futuro para a comunidade”.
]]>
<![CDATA[Vila Nova de Famalicão apoia município cabo-verdiano]]> http://www.vilanovadefamalicao.org/_vila_nova_de_famalicao_apoia_municipio_caboverdiano </p><img src="http://www.vilanovadefamalicao.org/op/image/?co=110112&h=f6c19" width="269px" height="202px" border="0"/></p> A Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão a convite de Clemente Garcia, presidente do Município de São Domingos, em Cabo Verde, fez-se representar nas cerimónias do vigésimo terceiro aniversário deste Município, realizadas entre os dias 10 e 14 deste mês, através do seu Vice-Presidente, Ricardo Mendes e outro elemento da autarquia. Durante a curta visita àquele concelho, o Vereador famalicense transmitiu ao edil de São Domingos a disponibilidade de Vila Nova de Famalicão colaborar com o Município cabo-verdiano em domínios onde este revela maiores carências.

Apresentou como exemplo um contacto que fizera com um responsável da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários Famalicenses e que este de imediato dera conta da disponibilidade da corporação em oferecer viaturas suas aos seus homólogos de São Domingos. Prometeu ainda diligenciar junto de outras corporações, enquanto responsável pelo Pelouro da Proteção Civil, para se encontrar mecanismos de cooperação com a autarquia cabo-verdiana, especialmente através da doação de equipamentos.

Outra área que mereceu uma abordagem sumária entre os responsáveis das duas autarquias foi a eventual cooperação a nível técnico entre serviços. O eleito do Movimento para a Democracia (MPD), Clemente Garcia, deu conta que veria com bons olhos essa cooperação, especialmente na área da formação de Recursos Humanos tendo o autarca famalicense apontado áreas como a Proteção Civil, Modernização Administrativa, Ação Social, Educação, Empreendedorismo e Jurídico como possibilidades de trabalho a explorar e passíveis de serem estabelecidas parcerias.

Refira-se ainda que, durante a Sessão Solene do Aniversário de São Domingos, o Vice-Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão assinalou que constatara com imenso agrado que a grande aposta do executivo local eram as pessoas e que face ao elevado grau de necessidades sentidas no terreno este enveredara por uma gestão de qualidade, rigor e transparência. Afiançou que “também aqui, Vila Nova de Famalicão e São Domingos estão irmanados, pois este é tipo de gestão que temos seguido”.

Apesar de São Domingos ser um Município rural, cuja atividade económica assenta ainda maioritariamente na agricultura, e de dimensão média (tem 37,6 quilómetros quadrados de área e cerca de 15.000 habitantes), é de assinalar a presença do Primeiro-Ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, nas cerimónias do dia 13 e a especial atenção que este deu aos eleitos locais de Portugal presentes na ocasião, colocando perguntas sobre os mais diversos assuntos.
]]>
<![CDATA[Famalicão liga-se ao Porto para projetar Camilo Castelo Branco além-fronteiras ]]> http://www.vilanovadefamalicao.org/_famalicao_ligase_ao_porto_para_projetar_camilo_castelo_branco_alemfronteiras </p><img src="http://www.vilanovadefamalicao.org/op/image/?co=110085&h=153b8" width="303px" height="202px" border="0"/></p> O presidente da Câmara Municipal do Porto, Rui Moreira, associou-se esta quinta-feira, ao presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Paulo Cunha e a um conjunto de parceiros culturais para a criação de um projeto de valorização do património do escritor Camilo Castelo Branco enquanto produto de interesse turístico-cultural sem fronteiras. O encontro que decorreu no Porto, no dia em que se assinalava o 192.º aniversário do nascimento do escritor iniciou com uma deposição de coroa de flores no túmulo de Camilo Castelo Branco, no cemitério da Irmandade da Lapa.

Tendo como principal objetivo tirar partido da cidade do Porto, enquanto porta de entrada de milhares de turistas, para dar a conhecer Camilo Castelo Branco, a autarquia famalicense pretende criar uma Rota Camiliana, envolvendo um conjunto de instituições. Para além das autarquias de Famalicão e do Porto e da Direção Regional de Cultura do Norte, fazem parte do projeto a Venerável Irmandade de Nossa Senhora da Lapa (onde para além do corpo de Camilo estão guardados inúmeros objetos, manuscritos e correspondência do escritor), o Centro Português de Fotografia (antiga Cadeia da Relação onde Camilo este preso por duas vezes) e a Livraria Lello (Camilo foi o autor que mais obras forneceu para o prelos da Lello & Irmão).

Esta quinta-feira, as várias instituições encontraram-se no Porto para uma jornada cultural por alguns locais da cidade e para uma reunião de trabalho para a criação da Rota Camiliana.
Ainda antes da reunião, Rui Moreira saudava a iniciativa da autarquia famalicense e salientava a ligação incontornável entre Camilo Castelo Branco e a cidade do Porto.

Para Paulo Cunha “Camilo é um escritor que ultrapassa as fronteiras de Famalicão e com um potencial enorme em termos de promoção turística”, adiantando que “não se trata da promoção de um território, de um concelho, mas antes da promoção de um património e de uma época”. “A quantidade e a qualidade de obras literárias que nos legou é uma verdadeira herança que nos compete promover”, salientou.
Paulo Cunha mostrou-se muito satisfeito com a entusiástica adesão de todos os parceiros culturais a este projeto “apadrinhado pela Direção Regional do Norte”.

Por sua vez, o diretor regional de Cultura do Norte, António Ponte, elogiou o projeto, salientando que “com esta rota estamos a criar um conjunto de entradas para uma única porta que no final nos leva até Camilo Castelo Branco”.

De resto, o responsável desafiou todos parceiros a empenharem-se neste projeto, “num espirito de confiança e compromisso”.
]]>
<![CDATA[A Escola D. Sancho I faz crescer Famalicão há 60 anos]]> http://www.vilanovadefamalicao.org/_a_escola_d_sancho_i_faz_crescer_famalicao_ha_60_anos </p><img src="http://www.vilanovadefamalicao.org/op/image/?co=110091&h=56f8d" width="303px" height="202px" border="0"/></p> Falar da Escola Secundária D. Sancho I é falar de uma instituição umbilicalmente ligada à história e ao sucesso do município de Vila Nova de Famalicão. Esta foi a principal ideia evocada esta quinta-feira, 16 de março, na sessão solene comemorativa dos 60 anos da antiga Escola Industrial e Comercial do concelho.

O presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, e o vereador da Educação, Leonel Rocha, associaram-se ontem às comemorações, que contou ainda com as presenças do Arcebispo de Braga, D. Jorge Ortiga, do Delegado Regional da DGEST, José Mesquita, para além de vários dirigentes concelhios, empresários, atuais e antigos alunos, professores e funcionários da escola.

Para o edil famalicense não restam dúvidas: “o sucesso da nossa história tem sempre as suas causas e esta escola tem uma relação muito forte com o sucesso dos últimos 60 anos de Vila Nova de Famalicão”.

Paulo Cunha lembrou o papel relevante que a então Escola Industrial e Comercial do concelho teve no fortalecimento económico do concelho e elogiou o trabalho desenvolvido por todos quantos passaram pela instituição.

“É uma escola que tem consciência do território em que está inserida, da área em que está localizada, da população que deve servir e, por isso, é uma escola que se distingue pela sua sensibilidade para o bom relacionamento com o meio em que se insere e para o cumprimento do seu projeto educativo”, acrescentou.

A ligação à comunidade e ao mundo do trabalho foi também um dos aspetos evocados pelo diretor do Agrupamento de Escolas D. Sancho I, António Pinto.

O responsável falou de uma escola “de referência, com um serviço educativo de qualidade”, deixando ainda claro que a instituição que dirige vai continuar a respeitar o passado, “procurando no presente responder eficazmente aos anseios dos alunos e aos interesses e necessidades da comunidade”.

E acrescentou: “se a escola quer preparar alunos para a vida e cidadãos de sucesso tem que se repensar continuamente não podendo parar no tempo. Por isso, os nossos 60 anos são a força da nossa juventude”.

Refira-se que quando surgiu, muito perto da década de 60, a então Escola Industrial e Comercial de Vila Nova de Famalicão, foi considerada, pela imprensa da época como “a maior obra de todos os tempos que o Estado fez erguer em terras de Vila Nova de Famalicão”. O edifício que teve um custo total de 12.500 contos – um elevado investimento naquela altura – representava uma escola ampla e visionária que contribuía para o crescimento e progresso da cidade.
]]>