Município de Famalicão: Notícias e Informações Úteis http://www.vilanovadefamalicao.org Últimas 10 notícias 15 asdad asdasd dasdad <![CDATA[Locutor de “Vida Selvagem” homenageado na sua terra natal]]> http://www.vilanovadefamalicao.org/_locutor_de_vida_selvagem_homenageado_na_sua_terra_natal </p><img src="http://www.vilanovadefamalicao.org/op/image/?co=112736&h=dd6e7" width="185px" height="202px" border="0"/></p> Há um famalicense que é a companhia das manhãs de domingo de muitos portugueses desde há cerca de 30 anos e que poucos lhe conhecem a cara. A voz, essa, é inconfundível. Eduardo Rêgo é o timbre que todos reconhecem, ele é o locutor de “Vida Selvagem”, o programa semanal que já teve a chancela da BBC, sobre animais, plantas e natureza, e que começou a ser exibido na RTP e passou depois para a SIC. Eduardo Rêgo é natural da freguesia de Louro, no concelho de Vila Nova de Famalicão e vai ser homenageado com a medalha de mérito municipal cultural, no próximo dia 9 de Julho, na sessão solene comemorativa do 32.º aniversário do Dia da Cidade.

Ao todo, o município vai homenagear 26 personalidades e quatro instituições que ao longo dos anos têm contribuído de forma notável para a projeção e afirmação de Vila Nova de Famalicão no país, nas mais diversas áreas. A sessão solene comemorativa do Dia da Cidade realiza-se no próximo dia 9 de julho, a partir das 18 horas, na Casa das Artes.

A medalha de honra do município, o mais alto galardão, será este ano atribuído a título póstumo ao antigo bastonário da Ordem dos Contabilistas Certificados, António Domingues Azevedo e ao antigo empresário de construção Amândio Carvalho.

O diretor-geral do Citeve, Braz Costa, e o empresário António Vila Nova, CEO da Tiffosi, serão distinguidos com a medalha de mérito municipal económico, que será entregue também, a título póstumo, a Abílio da Costa Moreira, fundador da empresa de transportes com o mesmo nome, que durante muitos anos foi uma referência na região.

O movimento cívico “Eu Sou Matriz” que foi criado em 2014 com o intuito de apoiar as obras da Antiga Igreja Matriz de Famalicão vai ser galardoado com a medalha de mérito municipal de benemerência. A mesma condecoração será entregue ainda ao Presidente da Direção da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários Famalicense, António Sanguêdo Meireles, aos padres Carlos Alberto Candeias, Manuel Santos e ao Cónego Manuel Oliveira.

Para além de Eduardo Rego, serão contemplados com a medalha de mérito municipal cultural o padre António Oliveira, Hélder Alexandre Reis Ferreira, Helena Romão, José Manuel Lages, Manuel Sanches e Maria da Graça Miranda.

O mérito municipal desportivo será reconhecido às associações cultural e desportiva Além Rio; Adespo – desportiva cultural da Portela e desportiva e recreativa de Mogege. Serão ainda galardoados Bruno Renato Gomes, Manuel António Ferreira, Manuel Isidro Cunha, Nuno Miguel Teixeira e o padre Marco Paulo Gil.

Para o presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Paulo Cunha, as comemorações da elevação de Famalicão à categoria de cidade têm como objetivos fundamentais “valorizar o caminho que a nossa comunidade percorreu e contribuir para a valorização de uma cidadania cada vez mais participativa, responsável e solidária”. Assim, estas comemorações são “o enquadramento privilegiado para a atribuição dos galardões municipais, reconhecendo os contributos dos cidadãos e das instituições que se têm distinguido por serviços relevantes ao bem comum e ao progresso do concelho”.
]]>
<![CDATA[Crianças de Ribeirão ganham novos espaços para as brincadeiras]]> http://www.vilanovadefamalicao.org/_criancas_de_ribeirao_ganham_novos_espacos_para_as_brincadeiras </p><img src="http://www.vilanovadefamalicao.org/op/image/?co=112714&h=54fa6" width="303px" height="202px" border="0"/></p> As crianças da vila de Ribeirão ganharam esta semana dois novos espaços para as brincadeiras. Trata-se dos parques infantis de Aldeia Nova e do Vale. As duas estruturas criadas pela Junta de Freguesia implicaram um investimento de cerca de 70 mil euros e contaram com um apoio municipal de 10 mil euros.
Para o presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, a construção destes dois parques infantis significam que “estamos atentos às necessidades das crianças e dos seus familiares”. “São duas estruturas que contribuem para o bom desenvolvimento das crianças, pois permite que brinquem e isso é muito importante para que amanhã sejam bons cidadãos”, acrescentou o autarca.
Por sua vez, o presidente da Junta de Freguesia de Ribeirão, Adelino Santos Oliveira, salientou que os dois parques infantis significam muito para a população da freguesia. “Nós sentíamos há muito tempo, que havia nestas zonas da freguesia a necessidade de criar espaços destinado às crianças”, salientando que são zonas que estão a crescer muito em termos populacionais e que têm muitas crianças.
]]>
<![CDATA[24 Horas BTT de Famalicão: a prova que ninguém quer perder]]> http://www.vilanovadefamalicao.org/_24_horas_btt_de_famalicao_a_prova_que_ninguem_quer_perder </p><img src="http://www.vilanovadefamalicao.org/op/image/?co=112721&h=69913" width="302px" height="202px" border="0"/></p> Com cerca de um milhar de atletas confirmados, as inscrições para as 24 Horas BTT de Vila Nova de Famalicão estão esgotadas. A prova, que junta a adrenalina das duas rodas à farra e animação características de um convívio entre amigos, realiza-se no fim-de-semana de 1 e 2 de julho e vai mais uma vez provar porque é já considerada a maior prova do género em Portugal e na Europa.

Organizada pela Associação Amigos do Pedal com o apoio da autarquia famalicense, as 24 Horas BTT voltam a ter como epicentro a zona envolvente da Urbanização Talvai, uma zona nobre do Município de Famalicão, situada às portas da cidade.

O percurso terá uma distância de sensivelmente 7 quilómetros em circuito fechado e irá abranger a magnífica mancha rural e florestal do concelho, num intenso desafio à resistência física dos participantes. O arranque da prova está marcado para as 11h00 de sábado, dia 1 de julho.

Aos atletas a organização garante o máximo de condições: zona de campismo, balneários, oficinas para manutenção das bicicletas, zona de lavagens, zona de massagens, restauração, entre outras.
Quem já tem dorsal garantido para a prova é o Presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Paulo Cunha, que não esconde a satisfação por ver o concelho famalicense no mapa dos grandes eventos desportivos.

Mais informações no site oficial da prova.
]]>
<![CDATA[Alexandra Lencastre e Diogo Infante de regresso à Casa das Artes ]]> http://www.vilanovadefamalicao.org/_alexandra_lencastre_e_diogo_infante_de_regresso_a_casa_das_artes </p><img src="http://www.vilanovadefamalicao.org/op/image/?co=112730&h=ee264" width="216px" height="202px" border="0"/></p> Depois de em 2016 terem apresentado em Famalicão a comédia “Plaza Suite”, Alexandra Lencastre e Diogo Infante regressam agora à Casa das Artes na pele de Martha e George, numa versão de João Perry de um dos maiores clássicos contemporâneos da dramaturgia norte-americana – “Quem tem medo de Virginia Woolf?”

A peça sobe ao palco do grande auditório do espaço cultural famalicense este sábado à noite, dia 24 de junho, e conta também com as interpretações dos portugueses Lia Carvalho e José Pimentão.
Assinado e publicado em 1962 por Edward Albee, “Quem tem medo de Virginia Woolf?” esbate-se no espaço entre a realidade e a ilusão, explorando esta matéria no contexto doméstico de um casal de meia-idade armadilhado numa relação amargurada.

“George e Martha regressam a casa, de madrugada, vindos de uma festa na universidade onde George dá aulas. O pai de Martha, diretor da universidade, apresenta o novo corpo docente, do qual faz parte um novo professor (José Pimentão), que está acompanhado pela sua mulher (Lia Carvalho). É assim que Martha os convida a ir a sua casa. Quando os convidados chegam, George e Martha discutem. No início o jovem casal manifesta algum desconforto, mas à medida que a noite avança, e o álcool começa a surtir efeito, deixam-se envolver no mundo tumultuoso e perturbador dos anfitriões. O que começa como uma noite de jogos e brincadeiras transforma-se num monstruoso duelo psicológico entre George e Martha, com inevitáveis repercussões nos convidados”.

A peça começa às 21h30. Os bilhetes gerais têm o custo de 16 euros, reduzindo para metade para portadores do Cartão Quadrilátero Cultural.

Mais informações em www.casadasartes.org.
]]>
<![CDATA[Teolinda Gersão vence o Grande Prémio de Conto Camilo Castelo Branco]]> http://www.vilanovadefamalicao.org/_teolinda_gersao_vence_o_grande_premio_de_conto_camilo_castelo_branco </p><img src="http://www.vilanovadefamalicao.org/op/image/?co=112696&h=bbd1e" width="312px" height="200px" border="0"/></p> Um júri constituído por Cristina Robalo Cordeiro, Raquel Camacho e Salvato Teles de Menezes, reunido na Sede da APE, decidiu por unanimidade, atribuir o prémio de Conto Camilo Castelo Branco ao livro “Prantos, amores e outros desvarios”, de Teolinda Gersão (Porto Editora). O júri sublinhou “o domínio total das características do conto. Língua cuidada, elegante, erudita. Unidade temática. Transcendência. A capacidade de surpreender sucessivamente no conto seguinte, sendo que o anterior parecia ter sido, indubitavelmente, magistral.”

O Prémio, instituído em 1991, pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão em colaboração com a Associação Portuguesa de Escritores destina-se a distinguir uma obra em língua portuguesa de um autor português ou de país africano de expressão portuguesa, publicada em livro em 1.ª edição, no decurso do ano de 2016. O valor do prémio é de 7.500 euros.

É a segunda vez que Teolinda Gersão recebe este prémio, tendo conquistado pela primeira vez em 2002 com "Histórias de ver e andar". Em 2006, a escritora foi homenageada com a atribuição do mais alto galardão do Famafest, a Pena de Camilo, no encerramento do Festival Internacional de Cinema e Vídeo de Famalicão.

Teolinda Gersão, 77 anos, é autora de romances, novelas e contos, tendo-se estreado em 1981 com "O silêncio", que lhe valeu o Prémio de Ficção do Pen Club.

A autora soma ainda outros prémios literários, como o Grande Prémio de Romance e Novela da APE 1995 conquistado com "A casa da cabeça de cavalo", o Prémio de Literatura da Fundação Inês de Castro 2008 com "A mulher que prendeu a chuva" e o Prémio Fernando Namora 2015 com "Passagens".

Em 2016, Teolinda Gersão foi distinguida com o Prémio Literário Vergílio Ferreira pelo conjunto da obra literária.
A data do ato formal de entrega será oportunamente anunciada.
]]>
<![CDATA[Famalicão, Santo Tirso e Trofa unidos na mobilidade intermunicipal ]]> http://www.vilanovadefamalicao.org/_famalicao_santo_tirso_e_trofa_unidos_na_mobilidade_intermunicipal </p><img src="http://www.vilanovadefamalicao.org/op/image/?co=112707&h=4d0b0" width="303px" height="202px" border="0"/></p> A linha de transportes que vai ligar e aproximar os municípios de Vila Nova de Famalicão, Santo Tirso e Trofa deverá estar operacional em 2019. Na segunda-feira, os autarcas dos três municípios assinaram um protocolo de colaboração para a realização de um estudo de planeamento sobre a mobilidade de passageiros na área territorial dos três concelhos, tendo em vista a organização de futuras concessões de serviço público de transporte à população.

Para o presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Paulo Cunha, a celebração do protocolo entre as três autarquias é de “grande importância para a convergência territorial, que nos permite defender aquilo que nos une e que são os interesses da comunidade”.

O autarca lembrou as várias dificuldades que esta região conseguiu ultrapassar, sublinhando que “hoje é uma região com ambição e pujança”. Neste sentido, “era importante que déssemos este passo, neste setor”, afirmou adiantando que “foi fácil, devido à convergência das três autarquias”.

Paulo Cunha recordou ainda que muitos são os que vivem na Trofa ou Santo Tirso e trabalham em Vila Nova de Famalicão, ou vice-versa. “É por causa deles que assinamos este protocolo e que trabalharemos em conjunto para uma solução adequada”, defendeu.

Por sua vez, o presidente do município da Trofa, Sérgio Humberto, considerou que a região em que se inserem os três municípios “contribui, de forma significativa, para o PIB (Produto Interno Bruto) em termos nacionais” e que o futuro de Portugal não passa só pelo turismo, “tem de ser indústria também, tem de ser emprego”. Nesse sentido, o sistema inter-urbano de transportes vai “potenciar o tecido industrial. Potenciando isso, temos pessoas e emprego”, frisou Sérgio Humberto. O autarca trofense afirmou ainda que o atual sistema de transportes entre os três municípios é insuficiente ou inexistente.
O presidente da Câmara Municipal de Santo Tirso, Joaquim Couto, considerou a “cerimónia simples, mas histórica”. O autarca defendeu que a organização de uma rede de transportes “devia ter sido a pedra de toque da organização dos territórios” já há muitos anos.

Joaquim Couto salientou que a forma encontrada para responder a esse desafio foi “encontrar uma formulação política que satisfizesse este objetivo e, depois, a sustentação técnica que permita chegar a esse objetivo. Em 2019 é provável que nós tenhamos uma nova concessão inter-municipal de transportes”.

A rede inter-urbana de transportes vai ser alvo de um concurso internacional e poderá vir a ser explorada por uma empresa ou através da concessão a um consórcio.

De acordo com o protocolo de cooperação os três municípios vão proceder a estudos conjuntos sobre a organização de um sistema de transporte público e partilhado (redes e serviços articulados e hierarquizados) sujeito a contratação futura, conjunta ou separadamente por cada entidade adjudicante, no âmbito da área territorial dos três concelhos em articulação com as redes “regionais” e “inter-regionais” que vierem a ser definidas pela Comunidade Intermunicipal e Área Metropolitana do Porto.

Caberá a cada município o investimento de 15 mil euros para a concretização do estudo.
]]>
<![CDATA[Obras nas Escolas de Esmeriz, Ruivães, Riba de Ave e Conde S. Cosme avançam em setembro ]]> http://www.vilanovadefamalicao.org/_obras_nas_escolas_de_esmeriz_ruivaes_riba_de_ave_e_conde_s_cosme_avancam_em_setembro </p><img src="http://www.vilanovadefamalicao.org/op/image/?co=112690&h=164f6" width="302px" height="202px" border="0"/></p> A Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão acaba ver aprovados os projetos da especialidade para a remodelação e ampliação das escolas básicas de Esmeriz, Ruivães, Riba de Ave e Conde S. Cosme na cidade famalicense, através das candidaturas apresentadas ao Programa Operacional Regional do Norte – Norte 2020. No âmbito do objetivo de “Prosseguir a requalificação / modernização das instalações de educação pré-escolar e do ensino básico, colmatando situações deficitárias e melhorando as condições para a educação e ensino”, os quatro projetos mereceram o cofinanciamento do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), no montante total de 1,2 milhões de euros para um investimento de três milhões de euros.

Para o presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha “esta é uma boa notícia para a educação em Famalicão, que chega em boa hora”. Apesar da autarquia ter já iniciado todo o processo de abertura dos concursos públicos e das obras já estarem agendadas para o início do próximo ano letivo, independentemente da aprovação do financiamento, Paulo Cunha mostrou-se muito satisfeito com a novidade.
“Trata-se de obras essenciais para a educação e para o futuro do nosso concelho. São obras que não podem esperar e, por isso, decidimos avançar com todo o processo de abertura dos concursos públicos o mais rapidamente possível. Entretanto, as boas notícias chegaram”, realça Paulo Cunha.

De resto, a autarquia iniciou já um conjunto de reuniões com a comunidade educativa para dar a conhecer os respetivos projetos e recolher contributos. Ao todo, as obras vão beneficiar mais de 700 crianças do 1. ciclo.

A propósito das intervenções nas Escolas do 1.º ciclo do concelho, o autarca adianta ainda que a autarquia “está a terminar um ciclo de grandes obras no parque escolar do concelho, criando condições para que as todas crianças tenham as mesmas oportunidades de ensino, para uma educação harmoniosa e de qualidade”.

O objetivo geral destas intervenções passa essencialmente por obras de ampliação, remodelação e modernização dos espaços, com a requalificação dos edifícios e zonas exteriores, adequando à atuais necessidades pedagógicas e de segurança e higiene, melhorando as condições de conforto e aumentando a eficiência energética. Para além das remodelações das salas de aula, as diferentes intervenções implicam a instalação ou remodelação de novas salas, salas polivalentes, salas de professores, bibliotecas, refeitórios e copas, recreios cobertos e campos de jogos.

Refira-se que no presente ano letivo beneficiaram de requalificação as escolas de Requião, Telhado, Meães e Louredo na freguesia de Calendário num total superior a 700 mil euros, depois de em 2014-2015, a autarquia ter investido mais de dois milhões de euros , nas escolas de Lousado, Oliveira Santa Maria, Bairro, Gondifelos e Pousada de Saramagos.
]]>
<![CDATA[Vikings regressam mil anos depois]]> http://www.vilanovadefamalicao.org/_vikings_regressam_mil_anos_depois </p><img src="http://www.vilanovadefamalicao.org/op/image/?co=112663&h=ef387" width="304px" height="202px" border="0"/></p> É já a partir de quinta-feira, dia 22 de junho, que Vila Nova de Famalicão, mil anos depois, vai acolher de novo a passagem dos povos oriundos do norte da Europa a que habitualmente chamamos de Vikings. Até ao dia 25 todos terão oportunidade de contactar de perto com a cultura dos povos normandos e de reconhecer nesta mesma cultura alguns traços da História europeia.

Esta é a proposta da Feira Medieval e Viking, organizada pela Escola Profissional CIOR em parceria com a Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, que decorrerá de 22 a 25 de junho na Praça D. Maria II.

Associar a temática Viking à Feira Medieval que a CIOR tem por tradição organizar há muitos anos, foi introduzir uma marca que a torna única e original no contexto nacional. De facto, até hoje, desconhece-se que em Portugal alguém assinale as incursões normandas/vikings no nosso território nacional da forma como Vila Nova de Famalicão se propõe fazer.

Se uma “normal” Feira Medieval ou outro evento de cariz histórico pretende não apenas ser uma ocasião de lazer mas servir como aula de história para milhares de pessoas, a Feira Medieval e Viking pretende dar a conhecer uma parte da história nacional que permanece no profundo desconhecimento da esmagadora maioria da população e também ser um evento de alegria e bem-estar para todas as pessoas.

VIKINGS EM FAMALICÃO?
A questão pode ser suscitada por quase todos os que ouvem falar pela primeira vez na temática e associada ao concelho de Vila Nova de Famalicão. A organização está ciente da estranheza que pode assolar ao pensamento da generalidade das pessoas, por isso é reforçado o aspeto didático.

Já em 2016, Vila Nova de Famalicão recordou os 1000 anos sobre um acontecimento histórico devidamente documentado: a incursão normanda/viking que destruiu o Castelo de Vermoim.
De acordo com os registos arqueológicos do Município de Vila Nova de Famalicão, a primeira alusão ao Castelo de Vermoim é uma breve referência dos “Annales Portucalenses Veteres”, que relata uma incursão e ataque de normandos, a 6 de setembro de 1016 (ainda que haja quem aponte a hipótese de ter ocorrido entre os anos de 1015 ou 1017).

Trata-se de um período da nossa história coletiva que padece de um profundo desconhecimento e no qual encontramos mais referências milenares ao território, hoje Vila Nova de Famalicão.
O território do concelho de Vila Nova de Famalicão é, desde tempos imemoriais, estrategicamente crucial para o acesso dos povos do litoral para o interior. Por essa razão, a defesa do território também se fazia por aqui.
Ora, segundo relatam as mesmas referências bibliográficas milenares, foi no Castelo de Vermoim que o então conde titular do Condado Portucalense, D. Alvito Nunes, organizou a defesa do território contra a incursão viking que provinha do litoral e que teria como alvos principais, o assalto e pilhagem dos dois maiores centros urbanos da região: Guimarães e Braga. Pois foi em Vermoim, no território que hoje é Vila Nova de Famalicão, que os Vikings encontraram quem lhes fizesse frente.

APOSTA EM MAIS UMA IMAGEM DE MARCA
A atual estratégia de marketing dos territórios passa pela adoção de imagens de marca próprias e inegavelmente intrínsecas às suas origens. A imagem do Portugal Medieval é comum a praticamente todo o território nacional e, por esse facto, é possível organizar-se uma feira medieval em qualquer local, sem que ninguém consiga colocar objeções. A Escola Profissional CIOR ao assumir a temática Viking está a colocar um selo identitário próprio a um evento que se quer diferenciador das demais organizações medievais. “À partida, Vila Nova de Famalicão consegue uma vez mais inovar ao agarrar nesta oportunidade de contar “um milénio de histórias” a todos aqueles que sempre se habituaram a encarar o território famalicense como uma “terra sem história” apenas pelo facto de não ter a sorte de possuir um castelo ou um imponente palácio ou um templo religioso multissecular de referência”, afirma Paulo Cunha. “Famalicão não só tem história como tem um milénio de grandes histórias de que se orgulha e que, agora, no século XXI, quer partilhar e vivenciar com todos”, destaca ainda o autarca, convidando todos a tirarem partido desta oportunidade de passarem um tempo de qualidade ao nível do lazer e do contacto com a História do concelho, da região e do país.
Os Vikings estão de volta a Vila Nova de Famalicão e vão quebrar desconhecimentos e até mitos que se criaram à volta destes personagens oriundos das terras frias do norte europeu. Estes passos só são possíveis porque são aproveitados o conhecimento e experiência organizativa da Escola Profissional CIOR. Será o momento mais apropriado para, de uma forma natural e interativa, se possa explicar aos famalicenses e aos milhares de pessoas de todas as idades que são esperadas no Parque D. Maria II, que há 1000 anos este território que hoje é Vila Nova de Famalicão era estratégico no contexto de toda a região e que nem os Vikings prescindiram de por aqui passar e deixar as suas marcas. Aliás, por curiosidade, a singularidade da temática já levou a que a CIOR conseguisse as atenções de dois patrocinadores de referência nacional – REN e Brasmar – por acreditarem nas potencialidades do evento.

FESTA E HISTÓRIA
Centenas de figurantes, músicos, atores, malabaristas, acrobatas, cavaleiros, bailarinas, mercadores e muito mais recriarão todo o cenário milenar. Além da programação, durante os quatro dias de feira, os visitantes poderão usufruir de uma forma permanente do mercado medieval; jogos medievais e vikings; figurantes da época; música da época; exposição de animais de grande e pequeno porte; exposição de artefactos de tortura e morte; recriação da aldeia do povo europeu e viking; recriação da aldeia dos leprosos; animações por todo espaço.

Números
• 4 dias de programação
• 500 figurantes
• 1 aldeia medieval
• 1 aldeia viking
• 1 drakkar
Horário da Feira
• Dia 22, quinta-feira, das 19h00 às 22h30
• Dia 23, sexta-feira, das 10h00 às 24h00
• Dia 24, sábado, das 10h00 às 24h00
• Dia 25, domingo, das 10h00 às 21h30
]]>
<![CDATA[Tradição, qualidade e competência]]> http://www.vilanovadefamalicao.org/_tradicao_qualidade_e_competencia </p><img src="http://www.vilanovadefamalicao.org/op/image/?co=112675&h=a3bfd" width="303px" height="202px" border="0"/></p> A palavra de ordem é diferenciar pela qualidade aliando a tradição à modernidade. Ainda hoje a Couto & Brandão não prescinde de fabricar 150 mil bolinhos de bacalhau diariamente de acordo com a “receita caseira”, que é como quem diz, compondo a massa à mão e recorrendo às colheres para que a forma e o sabor dos bolinhos sejam os que a maioria de nós traz da infância.

A empresa famalicense de pré-cozinhados ultracongelados chegou a planear o investimento em equipamentos para automatizar a produção, mas não ficou convencida com os resultados e voltou à receita fiel. “Utilizando bacalhau que comprámos já esfiado, sem espinhas e sem pele, os nossos bolinhos são confecionados com matérias-primas selecionadas de forma rigorosa e reconhecidos como feitos em casa e na hora. O mesmo sucede com todos os outros nossos produtos graças à evolução tecnológica dos melhores meios de produção, ultracongelação e embalagem, aliada a um intenso programa de formação dos nossos colaboradores”, sublinhou Fernando Couto, administrador, na visita que o Presidente da Câmara Municipal realizou à empresa nesta segunda-feira, 19 de junho, no âmbito do roteiro Famalicão Made IN, iniciativa que Paulo Cunha protagoniza para contribuir na divulgação das empresas famalicenses que se destacam pela capacidade empreendedora e de inovação e pela vocação exportadora.

Corria o ano de 1991 quando a Couto & Brandão se instalou na freguesia de Requião, Vila Nova de Famalicão, por iniciativa dos irmãos Fernando Couto e Manuela Brandão, que ainda hoje cuidam dos destinos da empresa.

Quase três décadas depois, o passado orgulha, o presente motiva e o futuro desenha-se seguro. O sucesso da Couto & Brandão mede-se também pelos números que apresenta e que traduzem uma aposta clara na qualidade: 1.284 toneladas de produtos em 2016, a que corresponde um volume de negócios de 5 milhões de euros, 50 produtos na gama de oferta e 55 colaboradores.

A empresa tem apostado cada vez mais na internacionalização. “Estratégia que vamos reforçar nos próximos anos com a entrada em novos mercados”, adiantou Fernando Couto. Para o exterior vende 30 por cento da produção. A França é o principal mercado de destino. Relevantes são também a Suíça, o Luxemburgo e o Brasil. No mercado nacional trabalha só com grandes distribuidores que fazem chegar os produtos às superfícies comerciais.

Na ampla gama de produtos encontram-se, para além dos bolinhos de bacalhau, os rissóis com os mais variados recheios, os croquetes e as pataniscas, por exemplo, estes com produção automatizada.

Paulo Cunha sublinhou a importância da Couto & Brandão em Vila Nova de Famalicão no contexto agroalimentar. “Conseguiu associar aquilo que normalmente não é possível: a quantidade, a qualidade e a dimensão artesanal do processo de produção. A qualidade das matérias-primas, a competência dos colaboradores, a excelência do processo de produção fazem com que o resultado desta equação seja francamente positivo”, assinalou o edil. “Para o município, e particularmente para a Câmara Municipal, é muito gratificante ter empresas como a Couto & Brandão, que levam longe o nome de Vila Nova de Famalicão”, concluiu.

]]>
<![CDATA[Move-te com cerca de 100 aulas de desporto gratuito]]> http://www.vilanovadefamalicao.org/_movete_arranca_segundafeira_com_cerca_de_100_aulas_de_desporto_gratuito </p><img src="http://www.vilanovadefamalicao.org/op/image/?co=112613&h=c6ee3" width="303px" height="202px" border="0"/></p> São cerca de cem aulas de exercício físico ao ar livre conduzidas por professores habilitados e melhor ainda: com entrada gratuita, acessível a todas as idades. É assim o Move-te, um programa promovido pela Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão em parceria com cerca de 30 instituições desportivas do concelho, entre 19 de junho e 30 de julho em vários espaços públicos do concelho.

A iniciativa que decorre pelo quarto ano consecutivo é, este ano, alargada às freguesias de Seide (Junta de Freguesia) e Mogege (Quinta de Pitelas), que se juntam assim a Famalicão (Parque da Devesa, Piscinas Municipais e Praça D. Maria II); Joane (Parque da Ribeira); Ribeirão (Santa Ana); Oliveira S. Mateus (Parque do Quinteiro) e Nine (Largo de Santo António).

Pilates, Zumba, Hip Hop, Combat, Crossfit, Yoga e Aeróbica são apenas alguns exemplos das modalidades que preenchem o calendário, quase diário do “Move-te”. É cerca de mês e meio de muita atividade física e muita animação.

Para o presidente da Câmara Municipal, Paulo Cunha, “o Move-te é uma das principais apostas do município no incentivo ao desporto e à atividade física e cumpre vários objetivos”, afirma salientando que “para além de fomentar a prática desportiva, leva os famalicenses a usufruírem dos vários espaços públicos do concelho, convivendo e divertindo-se e, para além disso, dá a conhecer a oferta dos ginásios e associações desportivas do concelho”.

Consulte aqui os horários e os locais das aulas
]]>