Município de Famalicão: Notícias e Informações Úteis http://www.vilanovadefamalicao.org Últimas 10 notícias 15 asdad asdasd dasdad <![CDATA[Famalicão ganha Loja Interativa de Turismo]]> http://www.vilanovadefamalicao.org/_famalicao_ganha_loja_interativa_de_turismo </p><img src="http://www.vilanovadefamalicao.org/op/image/?co=85672&h=d8d10" width="304px" height="202px" border="0"/></p> Vila Nova de Famalicão vai ter uma Loja Interativa de Turismo que ajudará os turistas a conhecer todas as potencialidades turísticas do concelho. A infraestrutura tecnológica integra uma rede regional de lojas interativas que pretende impulsionar o turismo em toda a região Norte e vai ser implementada no âmbito de uma candidatura comunitária que o município famalicense viu agora aprovada.

A Loja Interativa de Turismo de Famalicão, a ser criada no topo noroeste da Praça D. Maria II, vai possuir um conjunto de ferramentas tecnológicas de teor interativo inovador, permitindo o controlo da informação e dos conteúdos recebidos por parte dos turistas que visitem não só o concelho como toda a região.

Além de promover a oferta turística local e regional, a Loja Interativa de Turismo de Famalicão vai também proporcionar um atendimento diferenciador a todos os turistas e incluir uma bolsa de oferta de emprego dedicada ao setor do turismo.

Para o presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Paulo Cunha, a Loja Interativa de Turismo de Famalicão, pelas suas potencialidades, promete constituir-se como um importante veículo para alavancar o turismo no concelho. “Trata-se de uma nova forma de conceber o relacionamento com o turista a quem será apresentada uma nova forma de viver e sentir Vila Nova de Famalicão”, aponta.

À semelhança das restantes lojas da rede regional, a Loja Interativa de Turismo de Famalicão estará aberta ao público sete dias por semana, permitindo o acesso a todas as informações 24 horas por dia.

Refira-se que a Loja Interativa de Turismo de Famalicão é um projeto aprovado ao abrigo do Aviso “Programa de Promoção da Marca Porto e Norte de Portugal” do ON.2 – O Novo Norte, do Programa Operacional Regional do Norte, QREN. A candidatura obteve um financiamento do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional no valor de 160.000 €, representando 72% de co-financiamento do montante total de investimento de 235.852,50 €.
]]>
<![CDATA[Famalicão debate descentralização das políticas educativas]]> http://www.vilanovadefamalicao.org/_famalicao_debate_descentralizacao_das_politicas_educativas </p><img src="http://www.vilanovadefamalicao.org/op/image/?co=85668&h=59e74" width="304px" height="202px" border="0"/></p>
A descentralização das políticas educativas é o mote para as II Jornadas Municipais da Educação que vão decorrer em Vila Nova de Famalicão, no próximo dia 2 de maio. Sob o tema “Governo Local de Educação”, as jornadas contam com a participação de vários responsáveis nacionais como a subdiretora da Direção Geral do Estabelecimentos Escolares, Isabel Cruz, o presidente do Conselho das Escolas, José Eduardo Lemos e o presidente da Confederação Nacional das Associações de Pais, Jorge Ascensão, entre docentes, investigadores e responsáveis autárquicos.

As Jornadas Municipais são um dos destaques da Quinzena da Educação, que foi apresentada, nesta terça-feira, em conferência de imprensa pelo presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Paulo Cunha, e pelo vereador da Educação, Leonel Rocha.

De acordo com o presidente da Câmara Municipal, as jornadas debruçam-se sobre um tema muito importante nos dias de hoje, e destaca que “a Câmara Municipal de Famalicão está disponível para assumir novas tarefas do processo educativo”. Em cima da mesa vão estar temas como “As Autarquias e a Educação”; “Novas Competências dos Municípios na Educação”; e ainda “Territorialização / Municipalização”.

Para além das Jornadas Municipais, a Quinzena da Educação conta com um programa vasto e diversificado. “A Quinzena da Educação é uma iniciativa conjunta, planificada por todos os parceiros educativos do concelho, onde se insere o município”, esclarece Paulo Cunha, salientando que “não existe na região nenhum projeto equiparado a este”.

Assim, destaque para a Final Distrital do Concurso Nacional de Leitura que vai decorrer a 23 de abril, na Biblioteca Municipal Camilo Castelo Branco. A iniciativa conta com cerca de 300 concorrentes em representação de 78 escolas do distrito.

De 28 de abril a 1 de Maio decorre a VI Mostra de Teatro Escolar. A iniciativa que tem resultado num estrondoso sucesso, conta este ano com a participação de 10 grupos de teatro escolar participantes, totalizando cerca de 350 pessoas.

O I Seminário Nacional em Educação e Desenvolvimento Humano que vai decorrer a 8 de maio na Casa das Artes é outro evento a realçar. Destinado a educadores de infância, professores e psicólogos, o seminário vai debater a “Literacia Emergente”.

Referência ainda para a Mostra da Oferta Educativa e Formativa do Concelho, que, este ano, decorre na Casa do Território, no Parque da Devesa, entre 5 e 10 de maio. A iniciativa que reúne todos os estabelecimentos de ensino da Rede Local, pretende tornar-se uma mais-valia no processo de tomada de decisão vocacional, dos alunos a frequentar o 9º ano de escolaridade, propiciando aos jovens, um maior conhecimento das alternativas escolares e formativas do ensino secundário concelhio.

Do programa da Quinzena da Educação fazem ainda parte o Encontro Concelhio das Associações de Pais, o Concurso Municipal Rede Empreendedorismo do Ave e o I Encontro Regional de Clubes da Floresta do Prosepe.

Recorde-se que Vila Nova de Famalicão foi distinguido recentemente com o título de melhor município do país para estudar, no âmbito dos “Prémios de Reconhecimento à Educação 2012/2013”, do "Fórum Escolas para o Século XXI".

O prémio foi mais um reconhecimento do trabalho que tem sido desenvolvido na área da educação de uma forma integrada com todos os parceiros educativos do concelho na aplicação de um conjunto de ações de promoção de políticas educativas inovadoras e abrangentes, que garantem uma estratégia concertada, ajustada à realidade social do concelho e direcionada às necessidades dos alunos e das empresas da região.
]]>
<![CDATA[Cartas de amores e de calores em tempo de guerra bordadas em lenços de linho]]> http://www.vilanovadefamalicao.org/_cartas_de_amores_e_de_calores_em_tempo_de_guerra_bordadas_em_lencos_de_linho </p><img src="http://www.vilanovadefamalicao.org/op/image/?co=85645&h=72f7b" width="304px" height="202px" border="0"/></p> A correspondência, alguma dela merecedora de "bolinha vermelha", trocada entre os combatentes do Ultramar e as suas madrinhas de guerra está agora bordada em lenços de linho, numa iniciativa da Câmara de Famalicão para comemorar o 25 de abril. Bordados em tons de verde, imitando o camuflado militar, os Lenços das Madrinhas de Guerra perpetuam poemas de amor, palavras de conforto e mesmo muitas "maluquices" que ajudavam os soldados a "sentirem-se vivos" num cenário de morte.

"Sim, maluquices talvez, coisas de canalha, de adolescente", admite Maria de Lurdes, atualmente com 56 anos e que foi madrinha de guerra do Fernando. Sem querer abrir muito o livro, até porque alguma da correspondência trocada tinha sal e pimenta q.b., Maria de Lurdes confirma que as cartas serviam para os combatentes darem asas aos seus devaneios libidinosos e mostrarem "a sua raça".

"Ele era capaz de me dizer: gostava de te ter aqui comigo, fazia-te trinta por uma linha, nem lhe posso dizer muito o que ele me poderia dizer na altura", atira, com um sorriso esclarecedor. Se outrora escrevia cartas ao seu "afilhado guerreiro", hoje Maria de Lurdes ajuda a eternizar, em lenços de linho, excertos dessa correspondência.

Num lenço que já bordou, "maluquices" nem vê-las, já que a mensagem é, toda ela, com palavras de esperança, de força e de coragem: "soldado que levas a alma a brilhar, tu hás de vencer e hás de voltar".

No entanto, nos Lenços das Madrinhas de Guerra que a Câmara de Famalicão vai apresentar publicamente a 25 de abril não falta correspondência mais apimentada, como a daquele soldado que confessava estar em pulgas para saber "a cor das calcinhas" da madrinha.

Maria Fernanda garante que este não era, de todo, o teor das cartas que trocava com Manuel Ferreira, quando aquele que viria a ser o seu marido combatia em Angola. "Dizia-lhe que gostava dele, que estava ansiosa que viesse embora, mandava-lhe um beijinho. Era uma escrita decente", refere. Manuel foi apanhado por uma mina, ficou sem uma perna mas não ficou sem a sua Maria. Estão casados há 44 anos e são um testemunho vivo de um amor à prova de guerra.

São histórias de amor, como esta, mas também de provocação, de sedução e de amizade, "bordadas" entre tiros de metralhadoras e rebentamentos de minas, que os lenços das madrinhas querem registar para a posteridade. A responsável do Gabinete do Património Cultural e Imaterial da Câmara de Famalicão, Vitória Triães, diz que esta é uma forma diferente, "mais enamorada", de celebrar o 40.º aniversário do 25 de abril, uma revolução que significou o fim da guerra colonial.

Famalicão tem o único Museu da Guerra Colonial a nível nacional, que no seu espólio reúne muita da correspondência trocada entre soldados e respetivas madrinhas. Segundo Vitória Triães, desse espólio surgiu o "clique" para criar um produto único, que alie a tradição dos bordados à história da guerra colonial.

Os lenços são bordados por um grupo de mulheres desempregadas, no âmbito de uma ação de formação ministrada pela Agência de Desenvolvimento Regional do Vale do Ave, entidade que também assegura a certificação de cada exemplar, através da aposição de um botão "made in Famalicão".

Fonte
VCP // MSP
Lusa/fim ]]>
<![CDATA[Famalicão debate construção sustentável com autor de casas ecológicas à prova de catástrofes ]]> http://www.vilanovadefamalicao.org/_famalicao_debate_construcao_sustentavel_com_autor_de_casas_ecologicas_a_prova_de_catastrofes </p><img src="http://www.vilanovadefamalicao.org/op/image/?co=85649&h=4b7f8" width="293px" height="202px" border="0"/></p> O arquitecto norte-americano Michael Reynolds, criador do sistema “Earthship Biotecture”, baseado na construção sustentável de casas com recurso a materiais reciclados e reutilizados durante a sua construção, é o convidado da conferência/workshop “Earthship Biotecture Portugal 2014”, a realizar na Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão, no próximo dia 10 de maio, entre as 9h00 e as 17h00.

Pela primeira vez em Portugal, Michael Reynolds, 68 anos, tem construído um pouco por todo o mundo casas auto-suficientes a partir de garrafas, latas e, sobretudo, pneus velhos cheios de terra. Assim se constroem as “Earthship”, moradias cuja estabilidade, segundo o arquitecto, está assegurada nos piores cenários.

Michael Reynolds focou-se a desenvolver casas auto-suficientes em água, energia, saneamento e alimentação. Estas casas captam a água da chuva e permitem que seja reutilizada quatro vezes, podendo ser aquecida pelo sol ou através de gás natural. A electricidade é outra das poupanças importantes, sendo obtida através de sistemas solares e eólicos e depois armazenada em baterias.

Quanto ao lixo e ao saneamento, as casas reutilizam o esgoto doméstico através de células de tratamento interiores e exteriores. Os autoclismos usam um sistema de água-cinza tratada, o que permite a ausência de odores. Além disso, a comida é cultivada numa estufa, que aproveita a água usada nos lavatórios e que é posteriormente tratada para regar as plantas. As “Earthship” utilizam a luz solar e a massa térmica da terra para manter a temperatura ambiente agradável.

O preço das construções de Michael Reynolds depende da tipologia do projecto. A planta da casa pode custar entre 3700 e 7500 euros e, por cada metro quadrado construído, o cliente tem de pagar mais 1800 euros. As “Earthship” podem ser construídas pela equipa num mês, mas o cliente tem de pagar viagem e estadia à equipa de construção.

Mais informações:
mariororiz@mariororiz.com | 968314029
]]>
<![CDATA[Têxtil de Famalicão que aposta no vestuário sem costuras cresce 2,4 ME em 4 anos]]> http://www.vilanovadefamalicao.org/_textil_de_famalicao_que_aposta_no_vestuario_sem_costuras_cresce_24_me_em_4_anos </p><img src="http://www.vilanovadefamalicao.org/op/image/?co=85658&h=37c08" width="304px" height="202px" border="0"/></p> A produção de vestuário sem costuras, direcionado para a área desportiva, é a aposta de uma têxtil de Famalicão cujo volume de negócios cresceu de 1,8 milhões de euros em 2010 para 4,2 milhões no último ano. O administrador da empresa, Pedro Silva, anunciou hoje, durante uma visita do presidente da Câmara de Famalicão, Paulo Cunha, que a meta para 2014 é atingir uma faturação na ordem dos cinco milhões de euros.
"Trabalhamos para algumas das principais marcas desportivas", garantiu o responsável da Sonicarla, empresa que apresenta como principal "troféu" a camisola envergada pelo canoísta norueguês Eirik Veras Larsen quando cortou a meta em primeiro lugar nos Jogos Olímpicos de Londres, em 2012.

A unidade veste atletas de várias modalidades, desde o ski ao ioga, passando pelo ciclismo, pelo golfe e pelo futebol. Em 2014, nos Jogos Olímpicos de inverno, em Sochi, na Rússia, a empresa voltou a estar presente, dessa vez com equipamentos termorreguladores. Como sublinhou Pedro Silva, o vestuário sem costuras tem como grande vantagem o conforto, uma vez que poupa os atletas a um "certo arranhar" que pode prejudicar a sua performance.

A Sonicarla nasceu em 1974, tendo-se dedicado inicialmente ao têxtil tradicional. Décadas depois, as dificuldades começaram a surgir, sobretudo por causa da crise internacional e da concorrência asiática, até que em 2010 Pedro Silva tomou conta da fábrica, apontando baterias, exclusivamente, para o "seamless", vestuário sem costuras e com alto grau de tecnicidade.

Desde então, e apesar da crise, o volume de negócios tem vindo sempre a crescer, um crescimento que de 2012 para 2013 foi de 46 por cento. "Conseguimos de alguma forma passar ao lado da crise porque fazemos uma aposta constante na inovação", disse Pedro Silva. O fabrico de vestuário ativador/regulador muscular é um exemplo recente dessa preocupação de "criar valor" no produto.

A têxtil Sonicarla Europa foi umas das seis empresas finalistas da versão portuguesa do Prémio EY Entrepreneur of The Year 2013, que premiou os melhores exemplos de empreendedorismo em Portugal. Emprega cerca de 130 trabalhadores e exporta para toda a Europa e para os Estados Unidos da América. A empresa foi hoje visitada por Paulo Cunha no âmbito do roteiro "Made in Famalicão", criado pelo autarca para divulgar os exemplos de empreendedorismo no concelho.

Fonte:
VCP // JGJ
]]>
<![CDATA[Concerto de Páscoa na Igreja Nova Matriz de Famalicão]]> http://www.vilanovadefamalicao.org/_concerto_de_pascoa_na_igreja_nova_matriz_de_famalicao </p><img src="http://www.vilanovadefamalicao.org/op/image/?co=85574&h=fc753" width="304px" height="202px" border="0"/></p> Obra-prima do Barroco, a Paixão segundo São João de J.S. Bach (1685-1750) é o tema do Concerto de Páscoa que vai acontecer na próxima quarta-feira, 16 de abril, pelas 21h30, na Igreja Nova Matriz de Vila Nova de Famalicão. A iniciativa promovida pela Confraria das Santas Chagas em colaboração com a Casa das Artes insere-se nas solenidades da Semana Santa de Vila Nova de Famalicão e conta com a participação do Coro Polifónico da Lapa e da Orquestra Sine Nomine.

A obra constitui uma das mais extraordinárias representações dramáticas da Paixão de Cristo segundo o Evangelho de São João. Envolta em polémica, a Paixão segundo São João foi apresentada pela primeira vez em Lepzig a 7 de abril de 1724.

Fundados pelo Cónego Ferreira dos Santos, o Coro Polifónico da Lapa e a Orquestra Sine Nomine, sob a orientação do seu maestro titular Filipe Veríssimo, constituem atualmente uma das maiores referências nacionais no âmbito da música sacra/litúrgica.


Intérpretes: Coro Polifónico da Lapa e Orquestra Sine Nomine
Direção: Filipe Veríssimo
Local: Igreja Nova Matriz de Famalicão
Data e Hora: 16 de abril I 21H30
Entrada: Livre
Classificação: M/3
Duração: 100m

]]>
<![CDATA[Famalicão e APE lançam nova edição do Grande Prémio Eduardo Prado Coelho ]]> http://www.vilanovadefamalicao.org/_famalicao_e_ape_lancam_nova_edicao_do_grande_premio_eduardo_prado_coelho </p><img src="http://www.vilanovadefamalicao.org/op/image/?co=85583&h=7124a" width="304px" height="202px" border="0"/></p> Pelo quinto ano consecutivo, a Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão e a Associação Portuguesa de Escritores voltam a premiar o que de melhor se faz em Portugal no género do ensaio, com o lançamento de mais uma edição do Grande Prémio Eduardo Prado Coelho.

O prémio destina-se a galardoar uma obra de ensaio literário, em língua portuguesa e de autor português, que tenha sido publicada em livro, em primeira edição, em 2013. O valor monetário do prémio é de 7 500 euros.

O regulamento do Grande Prémio de Ensaio será publicado na próxima quarta feira, 16 de abril, na edição do Jornal de Letras, e estará posteriormente disponível no site da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão.

Recorde-se que o prémio foi instituído em 2010, numa homenagem a Eduardo Prado Coelho, falecido em 2007, depois de ter doado ao município famalicense o seu espólio bibliográfico de 12 500 títulos, que atualmente se encontra disponível para consulta na Biblioteca Municipal Camilo Castelo Branco.

Refira-se ainda que o Grande Prémio de Ensaio Eduardo Prado Coelho já distinguiu, em 2013, Rosa Maria Martelo, pela obra “O Cinema da Poesia”, em 2012, João Barrento, pelo ensaio “O Mundo Está Cheio de Deuses — Crise e Crítica do Contemporâneo”, em 2011, Manuel Gusmão, pela obra "Tatuagem Palimpsesto - Da poesia em alguns poetas e poemas", e em 2010, Vítor Aguiar, pelo ensaio "Jorge de Sena e Camões - Trinta anos de amor e melancolia".
]]>
<![CDATA[Peter Hook revisita álbuns dos Joy Division esta sexta-feira na Casa das Artes]]> http://www.vilanovadefamalicao.org/_peter_hook_revisita_albuns_dos_joy_division_esta_sextafeira_na_casa_das_artes </p><img src="http://www.vilanovadefamalicao.org/op/image/?co=85496&h=06aa5" width="303px" height="202px" border="0"/></p> Peter Hook sobe esta sexta-feira, 11 de abril, pelas 22h00, ao palco do grande auditório da Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão para um espetáculo que promete recordar os sons que marcaram a carreira dos Joy Division. O baixista e co fundador da mítica banda de Manchester irá homenagear a memória dos Joy Division, revisitando os álbuns de estúdio “Unknown Pleasures” (1979) e “Closer” (1980).

A banda The Light será o veículo para uma viagem de celebração dos Joy Division, que fizeram de “Unknown Pleasures” e “Closer” autênticos tratados pop carregados de melancolia, dor e paixão.

Peter Hook, que esteve desde o início ao lado de Bernard Sumner na aventura Joy Division e que foi uma figura central nos New Order depois do trágico suicídio de Ian Curtis em 1980, ajudou a transformar o baixo num instrumento icónico, graças a um estilo muito peculiar, mais melódico do que o usual.

A passagem de Peter Hook por Vila Nova de Famalicão assinala o segundo de três concertos agendados em Portugal. Aveiro e Lisboa são os outros locais da digressão portuguesa, pelo que a atuação na cidade famalicense é a única a norte do Porto.
A atuação do músico britânico começa às 22h00. A entrada custa 20 euros, mas reduz para metade para os portadores do Cartão Quadrilátero Cultural.

Mais informações no site oficial da Casa das Artes de Vila Nova de Famalicão.

Local: Casa das Artes I Grande Auditório
Data e Hora: 8 de abril I 22H00
Preço: 20 euros (Cartão Quadrilátero Cultural – 10 euros)
Classificação: M/3
Duração: 100m
www.peterhook.co.uk
https://pt-pt.facebook.com/peterhookandthelight
]]>
<![CDATA[Famalicão lança petição nacional a favor do acolhimento familiar de crianças]]> http://www.vilanovadefamalicao.org/_famalicao_lanca_peticao_nacional_a_favor_do_acolhimento_familiar_de_criancas </p><img src="http://www.vilanovadefamalicao.org/op/image/?co=85542&h=98113" width="304px" height="202px" border="0"/></p> O presidente da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Paulo Cunha, é o primeiro signatário da petição nacional “Uma criança tem direito a crescer numa família”, promovida pela Mundos de Vida, no âmbito da campanha “Procuram-se Abraços 2014”, com o propósito de lançar o debate na Assembleia da República sobre a problemática da institucionalização de crianças.

A petição nacional foi apresentada esta terça-feira, 8 de abril, no encontro “Famalicão – Concelho de Abraços”, que reuniu responsáveis da Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão, Mundos de Vida e Comissão de Proteção de Crianças e Jovens, no Salão da Assembleia Municipal, nos Paços do Concelho. “Uma criança tem direito a crescer num ambiente familiar, num clima de felicidade, amor e compreensão. O supremo interesse de uma criança não está na institucionalização”, defendeu o autarca famalicense, Paulo Cunha, recordando uma das ideias da Convenção Internacional dos Direitos da Criança que este ano completa 25 anos.

Com a petição nacional a Mundos de Vida propõe que a Assembleia da República estabeleça a “criação efetiva de uma rede de acolhimento familiar que cubra as necessidades do país de forma progressiva”, bem como a “obrigação, num prazo de dois anos, das crianças até aos três anos de idade serem acolhidas temporariamente numa família de acolhimento, não sendo permitido serem colocadas numa instituição até que as entidades competentes decidam sobre o seu futuro”.

De acordo com o relatório “Casa” da Segurança Social, das 8.445 crianças separadas dos seus pais, apenas 4,6% vive numa família de acolhimento, quando, por exemplo, em França, 62% das crianças vive numa família de acolhimento e, em Inglaterra, o número sobe para 75%.

Outra das iniciativas ontem apresentadas pela Mundos de Vida é a “Maior Caminhada do Pijama do Mundo”, que se irá realizar no Dia Mundial da Criança, em Vila Nova de Famalicão, envolvendo a participação de crianças, pais, educadores e professores, entre outros, dos distritos de Braga e do Porto.

Refira-se que todos os anos a Mundos de Vida realiza a campanha “Procuram-se Abraços” para encontrar uma nova geração de famílias de acolhimento. Desde 1999 que esta instituição famalicense recebe crianças provenientes de agregados familiares com dificuldades económicas ou problemas relacionados com consumo de álcool, entre outras problemáticas. Esgotadas as possibilidades destas crianças permanecerem na família de origem, a lei dispõe de meios para separá-las temporariamente dos seus pais. Nestas situações, as crianças são colocadas em centros ou instituições.

A Mundos de Vida tem dois centros para acolhimento de crianças: a Casa das Andorinhas (centro de acolhimento temporário que acolhe doze crianças até aos 10 anos) e a Casa do Alto (lar de infância e juventude que acolhe dez jovens). Em 2006 criou o Serviço Especializado de Acolhimento Familiar, um serviço pioneiro em Portugal, constituindo-se a primeira IPSS como instituição de enquadramento.
]]>
<![CDATA[Câmara de Famalicão e ARS unem-se em defesa dos Cuidados de Saúde Primários no concelho]]> http://www.vilanovadefamalicao.org/_camara_de_famalicao_e_ars_unemse_em_defesa_dos_cuidados_de_saude_primarios_no_concelho </p><img src="http://www.vilanovadefamalicao.org/op/image/?co=85546&h=28e95" width="304px" height="202px" border="0"/></p> A Câmara Municipal de Vila Nova de Famalicão vai assinar um protocolo de colaboração com a Administração Regional de Saúde do Norte para a definição conjunta da localização futura dos equipamentos de Cuidados de Saúde Primários no concelho. O protocolo que surge na sequência do trabalho que a autarquia tem vindo a desenvolver junto dos responsáveis de saúde é um sinal positivo para a criação de melhores respostas às necessidades dos famalicenses. “A ARS tem-se mostrado muito aberta, disponível e recetiva, interessada e empenhada em conjunto com a Câmara Municipal e as juntas de freguesia encontrar a melhor solução para os problemas atuais”, refere a propósito o presidente da autarquia, Paulo Cunha.

O protocolo, que tem em vista a elaboração de uma Carta dos Equipamentos de Cuidados de Saúde Primários do Concelho de Famalicão, é um dos principais temas da reunião do executivo municipal, que se realiza nesta quinta-feira, dia 10 de abril, pelas 10h00, nos Paços do Concelho.

Embora esteja em causa uma atribuição da Administração Central, a Câmara Municipal tem competências em matéria de conhecimento e capacidade de planeamento que podem contribuir para uma melhor definição da localização futura das unidades de Cuidados de Saúde Primários. Para Paulo Cunha, o objetivo é que com este protocolo que “visa garantir condições adequadas de prestação de cuidados de saúde, agilizemos a solução para os problemas existentes em benefício dos famalicenses”. E acrescenta: “É fundamental que toda a população tenha acesso à saúde, muito concretamente as pessoas mais desfavorecidas e os seniores”.

De acordo com o protocolo a ARS irá disponibilizar o levantamento das infraestruturas existentes, do seu estado de conservação e da sua utilização pelos utentes. Por sua vez, a autarquia irá disponibilizar a colaboração dos serviços municipais, designadamente na identificação de edifícios que possam ser utilizados para concretizar a Carta.

Refira-se que ainda recentemente o presidente da Câmara Municipal, juntamente com os vereadores dos pelouros das Freguesias e Saúde Pública e diversos presidentes de juntas de freguesia, realizaram uma conferência de imprensa onde reagiram ao esvaziamento de serviços médicos que tem vindo a verificar-se nas extensões de saúde do concelho e que indicia um eventual encerramento futuro das mesmas por parte da Administração Central.

Desde essa tomada de posição pública pela defesa dos interesses das populações que “estamos a dar passos no sentido de melhorar as nossas respostas”, adianta Paulo Cunha, explicando que “o que fizemos não foi só notar uma dificuldade, foi também disponibilizarmo-nos para encontrar uma solução e estamos, agora, a ser consentâneos com essa disponibilidade e a praticar atos concretos por forma a chegar à solução mais acertada para Famalicão e para os famalicenses”.
]]>